Arquivo mensal maio 2019

porEquipe de Informática

PORTAS QUE SE FECHAM NÃO SALVAM ALMAS EM SOFRIMENTO

O codificador, Sr. Alan Kardec, fez o convite para todos os nossos irmãos: “Fora da caridade não há salvação”. Fez da sua vida um código de lições. Fez de sua missão uma enciclopédia de conhecimentos.

Tornou-se o defensor dos estudos e o pregador da humanidade. Vida de dedicação e renúncia em prol de uma humanidade melhor.

Abriu a Sociedade Espírita de Paris para as grandes pesquisas espirituais.

Meus queridos filhos e filhas de ideais espirituais, “Portas que se fecham, não salvam almas sofridas”.

Federações Espíritas e Centros, Jesus convida a todos para abrir os vossos corações. Somos a pátria do evangelho de Jesus. Não deixem que a luz se apague para aqueles que estão na escuridão. Não deixem que os centros espirituais, hospitais de socorro, coloquem as travas em suas portas e fechem sem o apoio e o carinho daqueles que vieram na missão de abrir essas portas para socorrem os necessitados.

Mensagem do Dr. Bezerra de Menezes, psicografada pelo médium Wandir Barbosa, sexta-feira, 22 de novembro de 2018.

porEquipe de Informática

O surgimento do Livro dos Espíritos

Como foi escrito o LIVRO DOS ESPÍRITOS?

Em 1855, o professor H. L. D. Rivail (Alan Kardec) estava diante de um fato inexplicável, aparentemente contrário às leis da Natureza e que sua razão repelia. A ideia, porém, de uma mesa falante ainda não lhe entrara na mente. Decidiu então estudar, enquanto a população se divertia. Descobriu modos diferentes de comunicação com os espíritos, através da fala e da escrita (psicografia). Elaborou perguntas, questionou os espíritos em reuniões sérias e, através das jovens médiuns psicógrafas Julie Baudin e Caroline Baudin (15 e 18 anos),  juntou um material que serviria de base para o primeiro livro da doutrina espírita. A seleção dos médiuns moralizados e as perguntas que deveriam constar neste livro foram orientadas pelos espíritos intuídos desta missão, como o “Espírito de Verdade”, que indicaram a jovem médium sonâmbula, Srta Japhet (20 anos), para a revisão final. Em havendo ocasião de outros médiuns, questionava os espíritos sobre as questões mais espinhosas.

Foi assim que mais de dez médiuns prestaram concurso a esse trabalho. Da comparação e da fusão de todas as respostas, coordenadas, classificadas e muitas vezes retocadas no silêncio da meditação, foi que elaborei a primeira edição de O Livro dos Espíritos, entregue à publicidade em 18 de abril de 1857 (Allan Kardec, Obras Póstumas) com 501 questões.”

A segunda versão, com mais de mil perguntas e respostas, surgia em 1860, através da contribuição dos estudos e correspondências dos leitores da Revista Espírita.

Assinando com o pseudônimo de Allan Kardec, o pedagogo Rivail separava seu trabalho material das obras mediúnicas, atribuindo, assim, aos espíritos, a autoria das obras. OBS.: Os espíritos relatam que o nome “Allan Kardec” correspondia ao nome de Rivail, numa existência passada na civilização Druida.

REFERÊNCIAS:

  •         Obras Póstumas – 2ª parte
  •         Revista Espírita 1858 – Janeiro – O Livro dos Espíritos – apreciação diversas
  •         Revista Espírita 1858 – Janeiro – Diferentes modos de comunicação
  •         Revista Espírita 1860 – Março – O Livro dos Espíritos – aviso da 2ª edição
  •         Obs.: Site FEB: Idade das jovens médiuns

·         Obs.: Site Hospitais Espirituais do Nordeste – Texto mensal JE: O nascimento do espiritismo

porEquipe de Informática

A inteligência e o caminho do bem

Como visto na codificação, Deus, todo amor, bondade e justiça, dá ao homem a inteligência para que possa se defender ou atenuar os efeitos dos flagelos naturais e sociais, e possa visualizar sempre o bem acima de tudo.

Mais uma vez, Deus, com infinito amor e bondade, não pode ser visto como causa do mal, pois assim seria a total negação de sua bondade. O mal, como fruto das imperfeições humanas, pode ser considerado um exercício da inteligência que foi deixada como uma herança para o progresso do homem.

As tentações mundanas fazem do mal caminho uma porta larga e atraente e do bom caminho uma porta estreita e de difícil acesso. Mas, com a inteligência que nos foi dada percebemos que a porta estreita é sempre uma possibilidade e é a melhor a se seguir.

E assim vemos na Gênese: “(…) mas o homem, tendo a causa do mal em SI MESMO, e tendo, ao mesmo tempo seu livre-arbítrio e, por guia, as leis divinas, evitá-lo-ia quando quisesse.”

Sendo assim, que possamos refletir e nos inspirar no amor e na bondade de Deus, utilizando da inteligência dada por Ele, para seguirmos sempre no caminho do bem.

Referências:

– A Gênese – Cap.III (O BEM E O MAL)

– ESE – Cap. XVIII (MUITOS SÃO OS CHAMADOS E POUCOS OS ESCOLHIDOS – A porta estreita)

porEquipe de Informática

Deslocamento dos oceanos

O aquecimento global já é uma realidade na Terra.

As geleiras que controlam as temperaturas, na Terra, estão entrando em estado de colapso total. Os oceanos estão sobre pressão e todos os sistemas estão sob ameaça.

As ressacas nos mares serão mais violentas. Ondas tomarão litorais, definidamente, levando a prejuízos incalculáveis para os governantes. O grito de alerta da natureza dá seus avisos. Agora não se tem nada a fazer.

Se houver em algum país chuvas excessivas, os mares não irão suportar os volumes de águas que estão sendo acumuladas. Agora é esperar. Os países, com pouca evaporação oceânica, serão os mais afetados. A natureza pede socorro e os governantes fecham os olhos para todas essas verdades.

Mensagem de Dra. Hellen, psicografada pelo médium Wandir Barbosa, na sexta-feira, 07 de dezembro de 2018.

porEquipe de Informática

Amor de mãe

O amor de uma mãe pode ser traduzido em uma só palavra: doação. Isso porque o verbo doar significa dar sem exigir nada em troca ou em outra qualquer forma de retribuição. Toda pessoa que, efetivamente, se doa, renuncia a si mesma. Por esta razão, todo doador carrega consigo um sentimento, que é a mais completa forma de amor.

Quem ama se doando por completo coloca em primeiro plano o bem-estar, a segurança e a felicidade de seu próximo, não importando quanto sacrifício tal conduta lhe imponha, não importando que seja nos momentos de saúde ou de enfermidade, de alegria ou de tristeza. O que importa é que o outro, seu próximo, se sinta bem, efetivamente amado e feliz.

O amor de mãe, como fruto especial da criação Divina, contempla todos esses valores quando no exercício de seu compromisso materno. É impossível falar de mãe sem falar da pureza do amor que ela traz e carrega em seu coração, não levando em conta qual seja o momento ou a dificuldade pela qual passa seu ente querido ou nem como ele esteja.

Uma verdadeira mãe, como que inspirada em Maria Santíssima, Mãe de Jesus, que enfrentou todo o sofrimento de seu Filho querido, de forma equilibrada e em harmonia consigo mesma, é capaz de olhar, com lágrimas nos olhos, o presente e o futuro venturoso ou árduo de seu filho, sem apresentar qualquer esmorecimento. Talvez seja por isso que Deus dotou a mulher com uma capacidade de luta e de doação inigualável e insuperável.

No rosto de uma mulher, que assume íntima e inteiramente sua maternidade, como um compromisso divino, fica sempre estampada a presença iluminada da esperança com um brilho vivo de quem jamais irá desistir de seu sagrado compromisso assumido perante à vida.

Como criação Divina, a mãe é um Anjo de Luz escolhido especialmente por Deus para tomar conta, não só de seus filhos queridos, mas de todos os que compõem sua família, em suas variadas necessidades materiais, afetivas e espirituais. É ao mesmo tempo, além de mãe, conselheira, amiga, enfermeira, esposa, serviçal, amada e, às vezes, até odiada, porque é uma disciplinadora sempre exigente.

Na condição de disciplinadora, paciente, carinhosa, exigente com doçura, está sempre pronta a ensinar os primeiros passos e as primeiras palavras sem nunca esquecer de ensinar a seus queridos filhos o caminho de Deus através dos bons conselhos e da oração. Para as verdadeiras mães não importa que seus filhos tenham vindo através de seu ventre ou que tenham vindo pela misericórdia divina da adoção. Todos são seus filhos do coração.

Finalmente, é essa mulher que revestida de amor, de ternura e do compromisso, como um Anjo Guardião Divino, guarda, protege, acompanha e orienta sempre seus filhos para o caminho do bem. E, ao longo do tempo, quase todas essas mulheres chegam a perder seu nome próprio, para que seja identificada e chamada por seus filhos, de forma simples e carinhosa, de apenas: MAMÃE.

Redação e adaptação de texto: Naelson Coutinho da Silva

 

porEquipe de Informática

Coração de Flores

Se os espinhos preencherem o teu coração de flores, não deixe de fazer o Bem.

Se as chuvas não caírem sobre o teu coração de flores, não deixe morrer a tua esperança de dias brilharem.

Se a terra do teu jardim de flores a tempestade matou, não perca a esperança nos teus amigos e parentes que podem te ajudar.

Coração não vê dificuldades.

Coração sente amor infinitamente.

 

Mensagem de D. Maria Cláudia Martins, psicografada pelo médium Wandir Barbosa, na sexta-feira, 07 de dezembro de 2018.

porEquipe de Informática

JORNAL DE ESTUDOS PSICOLÓGICOS

‘’Todo efeito tem uma causa. Todo efeito inteligente tem uma causa inteligente. O poder da causa inteligente está na razão da grandeza do efeito.’’ ALLAN KARDEC

A REVISTA ESPÍRITA, publicada em primeiro de janeiro de 1858, é um periódico que foi lançado de janeiro de 1858 até abril de 1869, num total de 12 edições. Foi fundada e dirigida por Kardec até a data de seu desencarne (1869). Nela, está contida fatos e explicações das mais curiosas manifestações espíritas, tais como aparições, bicorporeidade, premonições, vidência, cura mediúnica, obsessão, manifestações físicas pelos Espíritos batedores, dentre outros. A Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas foi fundada, por conseguinte, em 1º de abril de 1858.

Seu início ocorreu em reunião mediúnica na residência do Sr. Dufaux, em novembro de 1857. A Sra. Ermance Dufaux foi a médium pela qual Allan Kardec consultou o Espírito a respeito da ideia que teve de publicar um jornal espírita. Logo, recebeu o apoio da Entidade que deu a ele todas as orientações.

Kardec falara que a Revista seria, assim, uma tribuna livre em que a discussão jamais se afastaria das normas da conveniência. ‘’Numa palavra: discutiremos, mas não disputaremos.’’

E ainda complementa: ‘’Nosso quadro, como se vê, compreende tudo quanto se liga ao conhecimento da parte metafísica do homem; estudá-la-emos em seu estado presente e no futuro, porquanto estudar a natureza dos Espíritos é estudar o homem, tendo em vista que ele deverá fazer parte, um dia, do mundo dos Espíritos. Eis por que acrescentamos, ao nosso título principal, o de Jornal de Estudos Psicológicos, a fim de fazer compreender toda a sua importância.’’

Assim, segundo o Codificador Allan Kardec, é impossível se ter uma noção completa do Espiritismo sem consultar a Revista Espírita.

Muita paz! – Jovens Espíritas em Atividades Espíritas.

 

‘’ Pergunta — Tenho a intenção de publicar um Jornal Espírita: Julgais que o conseguirei e me aconselhais a fazê-lo? A pessoa a quem me dirigi, Sr. Tiedeman, não parece resolvida a me prestar o seu concurso pecuniário.

Resposta — Consegui-lo-ás, com perseverança. A ideia é boa; preciso se faz, porém, deixá-la amadurecer mais. […] De começo, deves cuidar de satisfazer à curiosidade; reunir o sério ao agradável: o sério para atrair os homens de Ciência, o agradável para deleitar o vulgo. Esta parte é essencial, porém, a outra é mais importante, visto que sem ela o jornal careceria de fundamento sólido. Em suma, é preciso evitar a monotonia por meio da variedade, congregar a instrução sólida ao interesse que, para os trabalhos ulteriores, será poderoso auxiliar.’’

 

REFERÊNCIAS:

(Obras Póstumas, 33 Revista Espírita Ano I – 1858 – Introdução)

porEquipe de Informática

ESPIRITISMO E MILAGRE

A palavra milagre, em sua concepção de origem histórica, significa admirável, algo extraordinário, surpreendente. Diante da visão espírita, o milagre pode ser algo que é cumprido fora das leis naturais, ou seja, sendo o espiritismo uma ciência, surge com o intuito de revelar e explicar os fenômenos contidos nestas leis. ⠀⠀
⠀⠀
Alguns fenômenos relacionados à saúde do ser humano não conseguem ser explicados pela ciência material como algumas patologias com diagnóstico incompleto. O espiritismo, por sua vez, oferece explicações sobre possíveis causas da enfermidade e procedimentos provindos da medicina espiritual que podem auxiliar na melhora do indivíduo. ⠀⠀ ⠀⠀ ⠀⠀ ⠀⠀
Ressaltando que a fé possui uma grandiosa importância durante todo o processo, inclusive serve como apoio emocional para nós, seres em busca do bem estar espiritual e material, sabermos lidar, de forma cautelosa, com a situação, uma vez que também existe a atuação da justiça divina e do merecimento do ser encarnado. “A fé sincera e verdadeira é sempre calma; Dá a paciência que sabe esperar, porque tendo seu ponto de apoio na inteligência e na compreensão das coisas, está certa de chegar”. (ESE cap.XIX, item 3). ⠀⠀ ⠀⠀
⠀⠀.
⠀⠀
Referências:
O Evangelho Segundo o Espiritismo – Cap. 19
A Gênese – Cap. 13

porEquipe de Informática

Deus: Causa primeira de todas as coisas

O universo se formou a partir de uma substância primitiva denominada Matéria Cósmica. Sendo ela fluida, ocupa o espaço definido como a extensão que separa dois corpos, se aglomerando e formando o que se chama de matéria escura, em que a luz ainda não se faz presente.

A matéria cósmica é constituída pelas leis e forças que regem o universo e pelo princípio comum a todos os seres: o princípio vital. Com a associação desses princípios, se forma o universo, e logo a luz se faz presente nos mundos.

Mais à frente, com a aglomeração das partículas de poeira, formam-se os planetas. Com condições para que a vida orgânica se estabeleça, o globo terrestre, com o princípio vital presente, dá origem à matéria orgânica e surgem os primeiros seres. “Assim se efetua a criação universal. É, pois verdadeiro dizer que, sendo as operações da Natureza a expressão da vontade divina, Deus criou sempre, cria sem cessar e criará sempre.” (A Gênese – Cap. 6)

E assim, sendo Deus inteligência suprema e causa primeira de todas as coisas (Livro dos Espíritos – Cap.1), atribui também, em parte da matéria orgânica, o princípio espiritual. Isso é o princípio inteligente: dar aos seres a capacidade de sobrevivência e de lidarem com os desafios diários, seja dentro ou fora da matéria.

Referências:
– A Gênese – Capítulo VI: Uranografia geral
– A Gênese – Capítulo X: A Gênese orgânica
– A Gênese – Capítulo XI: A Gênese espiritual
– Livro dos Espíritos – Capítulo I: Deus
– Psicografia: A Criação do universo e a Matéria escura (Dra. Helen)