Carta de um Espírita

porEquipe de Informática

Carta de um Espírita

Caminhei e o bem que podia fazer para os outros não fiz para mim mesmo. Fiz de tudo, mas não compreendi a Deus, entre pranto e ranger de dentes, hoje sofro por tudo aquilo que fiz. De belas palavras vivi; de saco nas costas saí, mas a minha incompreensão e o meu orgulho me fez fracassar. Me prendi no mundo físico e depois morri, aqui cheguei.
Com incompreensão eu fiquei e vejo o quanto errei. Nas regiões frias fiquei, em busca de uma explicação e tudo estava em mim.
Tempos se passaram e chorei porque o meu coração estava vazio e minha mente com uma falsa perfeição. Chorei e senti o peso na consciência em falar demais e não cumprir com nada do que fiz.
A dor do falso conhecimento tomava o meu orgulho; queria saber de tudo, mas terminei sozinho.
Perguntei pra mim mesmo: “E agora meu Deus?”.

Meu olhar cabisbaixo, e no silêncio de minha ignorância, apenas
chorei.
UM ESPÍRITO FALIDO

Psicografada pelo médium Wandir Barbosa, na reunião de psicografia, sexta- feira, 17/08/2017

Facebooktwittergoogle_plusmailFacebooktwittergoogle_plusmail

Sobre o Autor

Equipe de Informática administrator

Os autores destas postagens, fazem parte do voluntariado dos hospitais espirituais do nordeste vinculados ao Núcleo Central de Orientação de Medicina Espiritual do Nordeste.