Categoria JovensEspíritas

porEquipe de Informática

As aflições como forma de progresso moral

O Evangelho nos mostra que as dificuldades da vida possuem duas fontes diferentes: a vida presente, e as anteriores a ela.

A primeira fonte, a vida presente, tem relação com as más condutas atuais dos excessos trazidos pela vaidade, orgulho e egoísmo. Porém, esses males causados pela vida atual podem ser evitados também no tempo atual, sendo primordial a busca pelo aprimoramento moral, envolvidos nos ensinamentos do Cristo.

Relacionado com causas anteriores, observa-se as quedas de vidas passadas como fonte para as aflições atuais que devem ser visualizadas não apenas como dificuldades, mas como oportunidades de progresso moral e ensinamentos para o futuro.

Para as duas causas de aflições, devemos deixar atuar o “véu do esquecimento”, relembrar apenas os pontos que servem de progresso moral e tomar os males como ensinamentos que venham a prevenir quedas futuras, utilizar a fé e aproveitar as oportunidades para reparar as consequências dos males praticados. Dessa forma, utilizaremos o bem como um remédio para a alma.

Sendo assim, lembremos de que: “Aquele, pois, que sofre muito, deve dizer-se que tem muito a expiar, e se regozijar de ser logo curado; depende dele, pela sua resignação, tornar esse sofrimento proveitoso […]”. (ESE – Cap. V).

Referências:
– ESE – Cap. V (BEM AVENTURADOS OS AFLITOS)
– A Gênese – Cap. III (O BEM E O MAL)

 

porEquipe de Informática

Colônias Espirituais e Evolução Moral

No ano de 1943, o livro “Nosso Lar” trazido por André Luiz, através do médium Francisco Cândido Xavier, tem os primeiros relatos detalhados das Colônias Espirituais confirmando, assim, a frase trazida por Jesus: “Na casa de meu Pai há muitas moradas”.

 Nessas moradas, que são colônias espirituais localizadas fora da crosta terrestre, há diversos tipos de trabalhos e serviços. Abrigam espíritos de ordem elevada, tendo como principal objetivo a preparação para o processo reencarnatório, incentivar e orientar seus habitantes através do aprimoramento moral e intelectual dos mesmos. 

   Apresenta um alto nível de organização e reúne, em sua estrutura, diversos meios de elevação como: escolas, faculdades, hospitais, ministérios, residências e etc.

 Sendo assim, para aqueles que desejam adentrar nessas colônias, é necessário dedicação e comprometimento com a moral e seguir o caminho do bem, tendo a disciplina como principal guia de evolução e desenvolvimento dos valores e virtudes espirituais.

 

 Muita paz para todos. 

 

Referências:

Livro “Nosso Lar” – Francisco Cândido Xavier, pelo espírito André Luiz.

porEquipe de Informática

Sr. Home e a Teoria das manifestações físicas.

 Na primeira fase do Espiritismo, os médiuns de efeitos físico foram encarregados de revelar a existência dos espíritos e do plano/mundo espiritual. O período da curiosidade chamava a atenção no mundo inteiro. Sobre a supervisão da Justiça Divina, os espíritos batedores, levianos e brincalhões se faziam notar.

 

“O Sr. Home é um médium do gênero dos que produzem manifestações ostensivas […]. Suas predisposições naturais lhes dão uma aptidão especial. Sob sua influência, ouvem-se os mais estranhos ruídos, o ar se agita, os corpos sólidos se movem, levantam-se, transportam-se de um lugar a outro no espaço, instrumentos de música produzem sons melodiosos, seres do mundo extracorpóreo aparecem, falam, escrevem e, frequentemente, vos abraçam até causar dor. Na presença de testemunhas oculares, muitas vezes, ele mesmo se viu elevado no ar, sem qualquer apoio e a vários metros de altura.” (Revista Espírita Fev. 1858 – Sr. Home)

 

Da observação dos fatos e ensinamentos dos espíritos, Kardec apresenta em Maio e Junho de 1858 a “Teoria das manifestações físicas” e pergunta ao mentor São Luís: Como pode um espírito aparecer com a solidez de um corpo vivo? Resposta: Ele combina uma parte do fluido universal com o fluido que o médium libera, próprio a esse efeito. À sua vontade, esse fluido toma a forma que o Espírito deseja, mas em geral a forma é impalpável. Quando uma mesa se move sob vossas mãos, o Espírito evocado por vosso espírito vai haurir do fluido cósmico universal, aquilo com que haverá de animar essa mesa com uma vida fictícia. Quando uma mesa se ergue, não é o espírito que a levanta, é a mesa animada que obedece ao espírito inteligente.

 

Cientificamente, o fluido universal, no qual reside o princípio da vida, é o agente principal dessas manifestações e esse agente recebe sua impulsão do espírito, quer seja encarnado ou errante. Esse fluido condensado constitui o perispírito, ou envoltório semimaterial do espírito. Em algumas pessoas, há uma espécie de emanação desse fluido, em consequência de sua organização, e é isso que constitui propriamente os médiuns de efeitos físicos. 

 

Emanando do corpo, esse mesmo fluido se combina, segundo as leis que nos são desconhecidas, com o fluido que forma o envoltório semimaterial de um espírito. Disso resulta uma modificação, uma espécie de reação molecular que lhe altera momentaneamente as propriedades a ponto de torná-lo visível e, em certos casos, tangível. Esse efeito pode produzir-se com ou sem o concurso da vontade do médium. 

 

Assim, quando um objeto é posto em movimento, erguido ou lançado no ar, não é o espírito que o agarra empurra e levanta como o faríamos com a mão; ele, por assim dizer, o satura com seu fluido, combinando-o com o do médium, e o objeto assim, momentaneamente vivificado, age como o faria um ser vivo com a diferença de que, não tendo vontade própria, segue a impulsão da vontade do espírito, tanto podendo essa vontade ser  do médium quanto de um espírito desencarnado, e algumas vezes, dos dois.

“Quanta claridade lança essa teoria sobre uma multidão de fenômenos até aqui inexplicados! Quantas alegorias e efeitos misteriosos ela explica! É toda uma filosofia. ” Allan Kardec

 

Referências : 

Revista Espírita Ano I-1858:

-Fevereiro, Março e Abril (Sr. Home 1º, 2º e 3º artigos)

-Maio e Junho (Teoria das manifestações físicas 1º e 2º artigos)

porEquipe de Informática

SÃO LUÍS, O MENTOR ESPIRITUAL.

Luís IX, da França, foi um rei reformador no século XIII, devoto da fé católica, admirado e considerado por toda a Europa como um rei justo e conhecido pela sua caridade e cuidados com os pobres e doentes. Escutava atentamente os apelos e pedidos dos súditos de todas as classes. “Dei provas de grande humildade, submetendo-me, sem murmurar, às decisões da Igreja […]. Fui um grande pecador perante Deus, embora os homens, mais tarde, me tenham concedido o glorioso título de santo.” (RE Agosto 1860)

Conhecido como o espírito São Luís, mentor espiritual da médium Ermance Dufaux e de Allan Kardec, coordenava as reuniões da Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas. São Luís interrompia as Conversas e indagações mediúnicas quando o espírito não tinha mais o que falar. Complementava respostas deste, quando necessário, e sanava as dúvidas dos estudiosos espíritas. Orientava quanto à possibilidade ou não de haver comunicação espiritual, se o desencarnado teria condições de vim, assim como, a escolha dos médiuns mais adequados.

Transmitiu diversas Dissertações Morais contidas no Evangelho Segundo o Espiritismo e outras nas Revistas Espíritas, utilizando-se de diferentes médiuns, pois não havia exclusividade mediúnica. Atendia ao chamado de um “coração puro e sincero, sem segundas intensões” (A inveja-RE- Julho 1858). Na Revista Espírita, sob o título Problema Moral esclarecia, à luz da ciência espírita, sobre os fatos e atitudes que comoviam a sociedade (Suicídio). Seus ensinamentos a respeito da mediunidade e do funcionamento do mundo espiritual estão contidos também nO Livro dos Médiuns e na obra Céu e Inferno.

REFERÊNCIAS:

  •         Revista Espírita 1860 – Agosto – Boletim da Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas (contém comentário da última encarnação de São Luís como rei e lição sobre os conselhos espirituais que os médiuns não atendem e não aceitam).
  •         Revista Espírita 1858 – Julho – A inveja (contém: Dissertação moral e condição para evocar bons espíritos como São Luís)
  •         Revista Espírita 1858 – Fevereiro – A avareza; Março – O orgulho; Junho – A preguiça (contém: dissertações morais ditadas à Ermance)
  •         Revista Espírita 1858 – Maio – Problemas morais dirigidos a São Luís; Setembro – Problemas morais- suicídio por amor; novembro – problemas morais – sobre o suicídio (contém alguns dos problemas morais citados: riqueza, avareza e suicídio).
  •         Revista Espírita 1859 – Dezembro – Boletim – data 21 out 1859 – Estudo (contém detalhe em que São Luís comunica sua condição de presidente espiritual da sociedade>mentor).
  •         Revista Espírita 1861 – Fevereiro – Boletim – Relatórios Diversos (contém agradecimento ao presidente espiritual São Luís).
  •         Revista Espírita 1858 –Junho – Conversas Familiares de Além-Túmulo (Sr. Morisson, monomaníaco e o suicida de Samaritama) (contém intervenção São Luís nas comunicações da SPEE).
porEquipe de Informática

OBRAS DE FÔLEGO DE UMA JOVEM MÉDIUM

A história de Joanna D’arc, ditada por ela mesma, à médium Ermance Dufaux, chocou a Europa acompanhada de diversas suposições sobre a obra de fôlego da adolescente. Na Revista Espírita (janeiro e março de 1858), Kardec responde: “aos que duvidarem da origem desse trabalho e o creditarem à memória da senhorita Dufaux, responderemos que seria preciso da parte de uma menina com 14 anos, uma memória bem fenomenal e um talento de precocidade não menos extraordinário, para escrever, de uma assentada, uma obra dessa natureza. Uma narração completa contendo uma infinidade de detalhes pouco ou nada conhecidos, sobre a vida da heroína. Esse trabalho, um dos mais completos do gênero, contém documentos preciosos do ponto de vista histórico.”

Em seguida, A história de Luís XI, ditado por ele mesmo, à médium Ermance Dufaux, contendo os arrependimentos e confissões do perverso rei. Onde essa criança teria haurido as explicações inéditas da nebulosa política de Luís XI? Esta aptidão mediúnica, para conteúdos históricos, tornou possível o contato com alguns personagens conhecidos dos franceses. Os historiadores não compreendiam como a adolescente conseguia tantos detalhes que não estão nos livros regulares. Tudo isso é possível devido a mediunidade sonambúlica e psicográfica, no qual o médium é capaz de se anular e permitir ao espírito comunicante expressar-se de forma mais autêntica e trazendo os conteúdos integrais.

Ao longo dos anos, na Revista Espírita, a procura pelas obras psicografadas da jovem só aumentavam. Membro assídua da “Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas”, Allan Kardec observa que, nas reuniões mediúnicas em que ela estava presente, um espírito “Luís” se apresentava espontaneamente, trazendo orientações sobre as evocações feitas, dissertações morais, conselhos e explicações dos fatos questionados. Era São Luís, o aclamado Rei Luís IX da França, mentor da jovem médium. A adolescente de 13 anos psicografou, desinteressadamente, obras que mais tarde veríamos através da mediunidade de Chico Xavier.

REFERÊNCIAS:

  •         Revista Espírita 1858 –Janeiro – História de Joana D’Arc
  •         Revista Espírita 1858 – Março – Confissões de Luís XI
  •         Revista Espírita 1858 – Maio – Morte de Luís XI
  •         Revista Espírita 1858 – Junho – Confissões de Luís XI
  •         Revista Espírita 1858 – Junho – Conversas familiares de além-túmulo
  •         Revista Espírita 1859 – Abril – Aviso
  •         Revista Espírita 1860 – Junho – Biografia
  •         Revista Espírita 1860 – Novembro – Aviso
  •         Revista Espírita 1869 – Julho – Aviso Importante
porEquipe de Informática

O surgimento do Livro dos Espíritos

Como foi escrito o LIVRO DOS ESPÍRITOS?

Em 1855, o professor H. L. D. Rivail (Alan Kardec) estava diante de um fato inexplicável, aparentemente contrário às leis da Natureza e que sua razão repelia. A ideia, porém, de uma mesa falante ainda não lhe entrara na mente. Decidiu então estudar, enquanto a população se divertia. Descobriu modos diferentes de comunicação com os espíritos, através da fala e da escrita (psicografia). Elaborou perguntas, questionou os espíritos em reuniões sérias e, através das jovens médiuns psicógrafas Julie Baudin e Caroline Baudin (15 e 18 anos),  juntou um material que serviria de base para o primeiro livro da doutrina espírita. A seleção dos médiuns moralizados e as perguntas que deveriam constar neste livro foram orientadas pelos espíritos intuídos desta missão, como o “Espírito de Verdade”, que indicaram a jovem médium sonâmbula, Srta Japhet (20 anos), para a revisão final. Em havendo ocasião de outros médiuns, questionava os espíritos sobre as questões mais espinhosas.

Foi assim que mais de dez médiuns prestaram concurso a esse trabalho. Da comparação e da fusão de todas as respostas, coordenadas, classificadas e muitas vezes retocadas no silêncio da meditação, foi que elaborei a primeira edição de O Livro dos Espíritos, entregue à publicidade em 18 de abril de 1857 (Allan Kardec, Obras Póstumas) com 501 questões.”

A segunda versão, com mais de mil perguntas e respostas, surgia em 1860, através da contribuição dos estudos e correspondências dos leitores da Revista Espírita.

Assinando com o pseudônimo de Allan Kardec, o pedagogo Rivail separava seu trabalho material das obras mediúnicas, atribuindo, assim, aos espíritos, a autoria das obras. OBS.: Os espíritos relatam que o nome “Allan Kardec” correspondia ao nome de Rivail, numa existência passada na civilização Druida.

REFERÊNCIAS:

  •         Obras Póstumas – 2ª parte
  •         Revista Espírita 1858 – Janeiro – O Livro dos Espíritos – apreciação diversas
  •         Revista Espírita 1858 – Janeiro – Diferentes modos de comunicação
  •         Revista Espírita 1860 – Março – O Livro dos Espíritos – aviso da 2ª edição
  •         Obs.: Site FEB: Idade das jovens médiuns

·         Obs.: Site Hospitais Espirituais do Nordeste – Texto mensal JE: O nascimento do espiritismo

porEquipe de Informática

A inteligência e o caminho do bem

Como visto na codificação, Deus, todo amor, bondade e justiça, dá ao homem a inteligência para que possa se defender ou atenuar os efeitos dos flagelos naturais e sociais, e possa visualizar sempre o bem acima de tudo.

Mais uma vez, Deus, com infinito amor e bondade, não pode ser visto como causa do mal, pois assim seria a total negação de sua bondade. O mal, como fruto das imperfeições humanas, pode ser considerado um exercício da inteligência que foi deixada como uma herança para o progresso do homem.

As tentações mundanas fazem do mal caminho uma porta larga e atraente e do bom caminho uma porta estreita e de difícil acesso. Mas, com a inteligência que nos foi dada percebemos que a porta estreita é sempre uma possibilidade e é a melhor a se seguir.

E assim vemos na Gênese: “(…) mas o homem, tendo a causa do mal em SI MESMO, e tendo, ao mesmo tempo seu livre-arbítrio e, por guia, as leis divinas, evitá-lo-ia quando quisesse.”

Sendo assim, que possamos refletir e nos inspirar no amor e na bondade de Deus, utilizando da inteligência dada por Ele, para seguirmos sempre no caminho do bem.

Referências:

– A Gênese – Cap.III (O BEM E O MAL)

– ESE – Cap. XVIII (MUITOS SÃO OS CHAMADOS E POUCOS OS ESCOLHIDOS – A porta estreita)

porEquipe de Informática

JORNAL DE ESTUDOS PSICOLÓGICOS

‘’Todo efeito tem uma causa. Todo efeito inteligente tem uma causa inteligente. O poder da causa inteligente está na razão da grandeza do efeito.’’ ALLAN KARDEC

A REVISTA ESPÍRITA, publicada em primeiro de janeiro de 1858, é um periódico que foi lançado de janeiro de 1858 até abril de 1869, num total de 12 edições. Foi fundada e dirigida por Kardec até a data de seu desencarne (1869). Nela, está contida fatos e explicações das mais curiosas manifestações espíritas, tais como aparições, bicorporeidade, premonições, vidência, cura mediúnica, obsessão, manifestações físicas pelos Espíritos batedores, dentre outros. A Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas foi fundada, por conseguinte, em 1º de abril de 1858.

Seu início ocorreu em reunião mediúnica na residência do Sr. Dufaux, em novembro de 1857. A Sra. Ermance Dufaux foi a médium pela qual Allan Kardec consultou o Espírito a respeito da ideia que teve de publicar um jornal espírita. Logo, recebeu o apoio da Entidade que deu a ele todas as orientações.

Kardec falara que a Revista seria, assim, uma tribuna livre em que a discussão jamais se afastaria das normas da conveniência. ‘’Numa palavra: discutiremos, mas não disputaremos.’’

E ainda complementa: ‘’Nosso quadro, como se vê, compreende tudo quanto se liga ao conhecimento da parte metafísica do homem; estudá-la-emos em seu estado presente e no futuro, porquanto estudar a natureza dos Espíritos é estudar o homem, tendo em vista que ele deverá fazer parte, um dia, do mundo dos Espíritos. Eis por que acrescentamos, ao nosso título principal, o de Jornal de Estudos Psicológicos, a fim de fazer compreender toda a sua importância.’’

Assim, segundo o Codificador Allan Kardec, é impossível se ter uma noção completa do Espiritismo sem consultar a Revista Espírita.

Muita paz! – Jovens Espíritas em Atividades Espíritas.

 

‘’ Pergunta — Tenho a intenção de publicar um Jornal Espírita: Julgais que o conseguirei e me aconselhais a fazê-lo? A pessoa a quem me dirigi, Sr. Tiedeman, não parece resolvida a me prestar o seu concurso pecuniário.

Resposta — Consegui-lo-ás, com perseverança. A ideia é boa; preciso se faz, porém, deixá-la amadurecer mais. […] De começo, deves cuidar de satisfazer à curiosidade; reunir o sério ao agradável: o sério para atrair os homens de Ciência, o agradável para deleitar o vulgo. Esta parte é essencial, porém, a outra é mais importante, visto que sem ela o jornal careceria de fundamento sólido. Em suma, é preciso evitar a monotonia por meio da variedade, congregar a instrução sólida ao interesse que, para os trabalhos ulteriores, será poderoso auxiliar.’’

 

REFERÊNCIAS:

(Obras Póstumas, 33 Revista Espírita Ano I – 1858 – Introdução)

porEquipe de Informática

ESPIRITISMO E MILAGRE

A palavra milagre, em sua concepção de origem histórica, significa admirável, algo extraordinário, surpreendente. Diante da visão espírita, o milagre pode ser algo que é cumprido fora das leis naturais, ou seja, sendo o espiritismo uma ciência, surge com o intuito de revelar e explicar os fenômenos contidos nestas leis. ⠀⠀
⠀⠀
Alguns fenômenos relacionados à saúde do ser humano não conseguem ser explicados pela ciência material como algumas patologias com diagnóstico incompleto. O espiritismo, por sua vez, oferece explicações sobre possíveis causas da enfermidade e procedimentos provindos da medicina espiritual que podem auxiliar na melhora do indivíduo. ⠀⠀ ⠀⠀ ⠀⠀ ⠀⠀
Ressaltando que a fé possui uma grandiosa importância durante todo o processo, inclusive serve como apoio emocional para nós, seres em busca do bem estar espiritual e material, sabermos lidar, de forma cautelosa, com a situação, uma vez que também existe a atuação da justiça divina e do merecimento do ser encarnado. “A fé sincera e verdadeira é sempre calma; Dá a paciência que sabe esperar, porque tendo seu ponto de apoio na inteligência e na compreensão das coisas, está certa de chegar”. (ESE cap.XIX, item 3). ⠀⠀ ⠀⠀
⠀⠀.
⠀⠀
Referências:
O Evangelho Segundo o Espiritismo – Cap. 19
A Gênese – Cap. 13

porEquipe de Informática

Deus: Causa primeira de todas as coisas

O universo se formou a partir de uma substância primitiva denominada Matéria Cósmica. Sendo ela fluida, ocupa o espaço definido como a extensão que separa dois corpos, se aglomerando e formando o que se chama de matéria escura, em que a luz ainda não se faz presente.

A matéria cósmica é constituída pelas leis e forças que regem o universo e pelo princípio comum a todos os seres: o princípio vital. Com a associação desses princípios, se forma o universo, e logo a luz se faz presente nos mundos.

Mais à frente, com a aglomeração das partículas de poeira, formam-se os planetas. Com condições para que a vida orgânica se estabeleça, o globo terrestre, com o princípio vital presente, dá origem à matéria orgânica e surgem os primeiros seres. “Assim se efetua a criação universal. É, pois verdadeiro dizer que, sendo as operações da Natureza a expressão da vontade divina, Deus criou sempre, cria sem cessar e criará sempre.” (A Gênese – Cap. 6)

E assim, sendo Deus inteligência suprema e causa primeira de todas as coisas (Livro dos Espíritos – Cap.1), atribui também, em parte da matéria orgânica, o princípio espiritual. Isso é o princípio inteligente: dar aos seres a capacidade de sobrevivência e de lidarem com os desafios diários, seja dentro ou fora da matéria.

Referências:
– A Gênese – Capítulo VI: Uranografia geral
– A Gênese – Capítulo X: A Gênese orgânica
– A Gênese – Capítulo XI: A Gênese espiritual
– Livro dos Espíritos – Capítulo I: Deus
– Psicografia: A Criação do universo e a Matéria escura (Dra. Helen)

porEquipe de Informática

A reencarnação como meio de evolução espiritual

A reencarnação é uma lei natural que favorece a evolução do ser. É a volta à vida do espírito em um novo corpo físico. Dessa forma, em cada existência corpórea, o espírito recebe a oportunidade de reparar erros cometidos em outras existências através da expiação e aprimorar conhecimentos com a finalidade do melhoramento progressivo. Cada reencarnação é decidida por um planejamento da justiça divina e do próprio indivíduo, permitindo-o renascer no meio familiar e social necessários para o auto aprimoramento e auxílio dos demais. Logo, é a maior prova do amor e da misericórdia de Deus.

Nesse contexto, Jesus nos disse que: “Ninguém pode ver o reino de Deus se não nascer de novo”. Dessa maneira, a cada nova existência , quando há abnegação e renúncia, o espírito dá um passo para o progresso, a fim de que se despoje de todas as impurezas espirituais. Diante disso, temos o maior mandamento deixado por Deus: ‘amarás teu próximo como a ti mesmo e a Deus sobre todas as coisas’’. Desse modo, a fé, o amor e a caridade são os maiores ensinamentos que podemos seguir para a caminhada rumo à evolução espiritual. Ainda assim, quando estiverem em dúvida de qual caminho seguir, lembrem-se das palavras do Cristo: “Eu sou o caminho, a verdade, e a vida”. Ninguém vai ao Pai a não ser por mim. ’’

Portanto, é necessário orar e vigiar. O caminho nem sempre é fácil, mas devemos seguir com a certeza de que nosso Pai Celestial olha por cada um de nós, nos dando a força necessária para superarmos todos os desafios que a vida na Terra nos impõe. Somos aprendizes do Cristo e precisamos evoluir com o fito de nos aproximar cada vez mais do nosso mestre, guia e modelo: Jesus.

Muita paz para todos!
Jovens Espíritas em Atividades Espíritas.

Referências:
O Evangelho Segundo o Espiritismo > Capítulo IV – Ninguém poderá ver o reino de Deus se não nascer de novo.
Livro dos espíritos: Capítulo II – Da encarnação dos Espíritos.

porEquipe de Informática

Vida futura

Sabemos que, ao longo de todo o Seu Evangelho, Jesus faz da humildade, do amor e da caridade, práticas essenciais da vida de todo cristão, portanto, quando Ele diz a Pilatos “Meu reino não é deste mundo”, deixa claro a existência de uma vida futura, e ressalta o Evangelho.

Entendendo que a compreensão da vida futura é uma das bases centrais do cristianismo, vemos que, nela, encontra-se fundamentada a importância da reforma moral e a necessidade da evolução espiritual, sendo esta através da prática das lições e passagens divinas.

  É nesse contexto de evolução e prática moral que entra a responsabilidade do espiritismo em promover o esclarecimento de todos através de religião, filosofia e ciência, tendo a prova concreta da existência da vida eterna por meio de experiências feitas e testemunhadas por todos, mostrando que, na vida futura, somos todos frutos de nossas atitudes e filhos do mesmo Pai, estando assim mais próximo Dele, quem esteja determinado a viver suas lições e ensinamentos.

 

Jovens Espíritas em Atividades Espíritas

 

porEquipe de Informática

Ética e Caridade

Quando falamos de caridade, muitos pensam que é apenas o ato de dar dinheiro ou comida aos pobres, mas vai muito além disso.Um ato caridoso pode ser desde um simples bom dia até uma ajuda financeira, na qual precisamos tomar muito cuidado, pois como disse o Cristo: “Tomai cuidado de não fazer as vossas boas obras diante dos homens para serem vistas por eles”. Não devemos fazer boas ações com o intuito que os outros vejam para que possamos ser engrandecidos e exaltados, pois a recompensa que o mundo oferece é nada comparada a recompensa vinda do Pai Celeste.

Fazer o bem, sem ostentação, é um grande mérito, além de ser um incontestável sinal de grande superioridade moral, na qual é preciso renunciar à satisfação que o testemunho dos homens proporciona e esperar o testemunho de Deus. Ela poupa a humilhação e o constrangimento do beneficiado, guardando assim a sua dignidade. Realizar um serviço comparando-o com uma esmola, é humilhar aquele a quem está se prestando serviço, e há sempre orgulho, egoísmo e maldade em humilhar alguém. A verdadeira caridade, ao contrário, é delicada ao ponto de evitar as pequenas atitudes ofensivas. Ela sabe encontrar doces e meigas palavras que colocam o beneficiado à vontade como benfeitor, ao contrário da caridade orgulhosa, que o esmaga.

Muita Paz para Todos!

Jovens Espíritas em Atividades Espíritas!

Referências: ESE cap. XIII – Que a vossa mão esquerda não saiba o que dá a mão direita – Fazer o Bem sem ostentação.

porEquipe de Informática

OBSESSÃO E ESPIRITISMO

OBSESSÃO E ESPIRITISMO

A obsessão quer dizer a atuação de espíritos sobre certas pessoas. De acordo com O Livro dos Médiuns, a obsessão se subdivide em: obsessão simples, fascinação e subjugação.

Ela não ocorre senão por espíritos inferiores que procuram dominar; os bons espíritos, por sua vez, não impõem nenhum constrangimento; eles aconselham, combatem a influência dos maus, e se não os escutam, eles vão embora. A “perseguição”, podemos assim dizer, desses espíritos não são nada mais que por efeito das nossas próprias atitudes. Quando baixamos nossa vibração, ou desejamos algo ruim para alguém, pensamentos maldosos e impróprios, atitudes imorais, tudo isso acarretará em aproximações de espíritos inferiores que querem se aproveitar das imperfeições ativas nos deixando doentes e perturbados com as suas toxinas mentais e perispirituais.

A exemplo disso, é citado em O Livro dos Médiuns o caso das irmãs que foram atormentadas por um espírito inferior por causa da sua conduta. O Espírito de Verdade orientou Kardec (que desconhecia o quadro persistente da perseguição), e explicou que tudo era fruto da imprudência mental das mesmas, e a partir do momento em que ambas mudassem sua conduta mental, o obsessor não encontraria meios para atuar e desistiria de seus propósitos, não haveria compatibilidade fluídica (energética). Logo, o espírito se afastaria. (Ver O Livro dos Médiuns, Cap. 23 – Da Obsessão). Na medida em que o médium possui viciações, mais investidas inferiores serão frequentes, graças à força de atração fluídica espiritual.

Assim, é importante que o médium saiba, principalmente no início de sua jornada mediúnica, que influência dos espíritos acontecerão.  Porém, o médium precisa manter-se firme em seus propósitos no bem para receber a proteção do seu Anjo da Guarda e/ou Mentor espiritual, de forma que não seja alvo fácil de aproximações de espíritos inferiores e se tornem obsidiados.

‘’O mais poderoso meio de combater a influência dos maus Espíritos é aproximar-se, o mais possível, da natureza dos bons.’’

Muita paz! – Jovens Espíritas em Atividades Espíritas.

 

 

REFERÊNCIAS:

O Livro dos Espíritos – Cap. II – Obsessão no mundo espiritual –  Perguntas 971 a 973

O Livro dos Médiuns Cap. 23 – Da Obsessão.

Psicografia: O carnaval e o sistema nervoso central

porEquipe de Informática

Modificação fluídica como um produto dos pensamentos

De acordo com a codificação, os fluidos espirituais constituem um dos estados do Fluido Cósmico Universal, sendo este, a matéria elementar primitiva, cuja modificação e transformação está ligada à grande variedade de corpos da Natureza. Sendo assim, os fluidos espirituais, que compõem a atmosfera, possuem a propriedade de modificação e transformação através do pensamento dos seres espirituais.

Nessa linha de raciocínio, observamos que as modificações fluídicas podem ocorrer de forma consciente ou inconsciente bastando pensar em algo para que seja produzido, pois “Sendo os fluídos o veículo do pensamento, este age sobre os fluidos como o som age sobre o ar” (A Gênese, Capítulo XIV). Além disso, através de estudos científicos, no mundo espiritual, constata-se que esses fluidos espirituais podem ser transmitidos de pessoa para pessoa em função da propriedade de agentes transmissores do perispírito podendo, inclusive, causar doenças espirituais que agem sobre a matéria, quando a modificação fluídica é negativa.

Porém, é importante ressaltarmos que a modificação fluídica positiva, por pensamento, resulta na aproximação e auxílio de espíritos de luz, o que nos faz enxergar e compreender a importância do princípio “Orai e Vigiai” que o Cristo nos deixou. E assim, podemos visualizar a relevância da moralização de nossos pensamentos para que possamos viver em tranquilidade e contribuir para que esta seja proporcionada para os nosso irmãos.

Muita Paz!

 

 

REFERÊNCIAS

– Psicografia: Doenças transmitidas por transmissão fluídica

– A Gênese: Capítulo XIV – OS FLUIDOS

porProjeto Jovens Espíritas

Cristianismo: Bases, Leis Morais e o Espiritismo.

Para que o Cristianismo fosse implantado na Terra, foi necessário a vinda de grandes espíritos de coragem para mudar os conceitos de um povo.

Na história do Cristianismo primitivo, observamos o exemplo de Moisés com os dez mandamentos que tinha como intuito estabelecer normas disciplinares e organização social na Terra que antes não existiam.

O Evangelho de Jesus traz um grande exemplo acerca do que seria humildade, amor e caridade para com todos, com o respeito e simplicidade, colocando, principalmente, o desprendimento material como senha de evolução até o Pai Celestial. O Cristo não destruiu as leis existentes implantadas por Moisés. Ele veio para dar sentido a elas e adaptá-las ao grau de adiantamento dos homens resumindo os dez mandamentos em apenas dois: ‘’ Amar a Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a si mesmo.’’

Os apóstolos do Cristo têm fundamental importância na propagação e vivência efetiva do Evangelho, como na Doutrina o codificador Sr. Allan Kardec fala “O verdadeiro espírita é aquele que se esforça para domar suas más tendências.”

O Espiritismo é a nova ciência que vem revelar aos homens a existência do mundo espiritual, não tendo como propósito destruir a lei cristã, mas desenvolvê-la, completá-la e explicá-la em sua mais simples pureza, cumprindo o que o Cristo anunciou, preparando a realização das coisas futuras. ‘’ O Espiritismo é, portanto, obra do Cristo que Ele mesmo preside, assim como preside, conforme igualmente o anunciou, à regeneração que se opera e prepara o Reino de Deus na Terra.’’ O Evangelho Segundo o Espiritismo – Cap. I Não vim destruir a Lei

Jovens Espíritas em Atividades Espíritas.

porProjeto Jovens Espíritas

O nascimento do Espiritismo

A Terra sempre foi amparada e protegida pelos Espíritos Superiores, porém seus habitantes, desde a antiguidade, mostram  dificuldade em aceitar e em entenderem a Justiça Divina.

Moisés teve a missão de salvar o povo Hebreu da escravidão e implantar a crença em um Deus único. Sua missão não foi fácil, pois dava início ao processo de implantação das bases morais do Cristianismo. João Batista teve a missão de preparar as pessoas para a chegada do Cristo, enviado por Deus, para nos mostrar os ensinamentos de seu Pai. Mesmo com todas as dificuldades da humanidade em entender seu Filho, Deus envia o “Consolador Prometido” para amparar e ajudar na evolução da nação terrestre.

O Espiritismo nasce como o consolador da humanidade, iniciando seu movimento com as manifestações físicas e as mesas girantes.

Allan Kardec, como pesquisador, investigou tais acontecimentos. A partir de seus estudos e pesquisas, surge o Espiritismo com base em uma tríade de sustentação da doutrina: ciência, filosofia e religião.

Kardec foi o grande responsável pela disseminação da doutrina com a codificação e todos os seus livros que baseiam hoje o Espiritismo.

 

 

Nascido em três de Outubro de 1804, na França, foi um influente educador, autor e tradutor.

Seu nome era Hippolyte Léon Denizard Rivail, mas foi com o pseudônimo de Allan Kardec que ficou conhecido, e foi no ano de 1855 que iniciou suas atividades com o mundo da espiritualidade.

Faleceu em 31 de Março de 1869, deixando importantes conhecimentos para o Espiritismo.

 

Jovens Espíritas em Atividades Espíritas.

 

porProjeto Jovens Espíritas

Viver: uma questão de Amar e Resistir.

Vivemos em um mundo conturbado, repleto de problemas e viciações. Muitas vezes, nos envolvemos, caímos no desencorajamento e na infelicidade, e, alguns de nós, tentam, inclusive, tirar a própria vida, mas façamos uma indagação: Por que abreviar a vida?

A vida é uma oportunidade dada por Deus; uma forma de amar e ser amado. Temos a oportunidade de sentir o amor mais puro, o amor Divino, que nos mostra a cada dia que nunca estamos sós. Um amor irradiado a cada nascer do sol, transmitido pelo canto dos pássaros, pelo canto do bem: o canto de Jesus. Então, por que desperdiçar essa e outras oportunidades?

O Cristo nos mostra que somos assistidos por Deus e temos a capacidade de superar quaisquer que sejam as aflições. Ele nos diz, de diversas formas diferentes, que está de braços abertos “Vinde a mim, todos vós que sofreis e que estás sobrecarregados e eu vos aliviarei.”

Dessa forma, nós, jovens voluntários dos Hospitais Espirituais do Nordeste, como servidores do Cristo, estendemos as nossas mãos para auxiliar todos os que se encontram aflitos.

 

Sejamos fortes, meus irmãos! “Crede-me e resisti com energia a essas impressões que enfraquecem vossa vontade”, essa é a mensagem que o Cristo nos deixa no evangelho.

Que Maria Santíssima ilumine a todos!

Jovens Espíritas em Atividades Espíritas.

 

 

porProjeto Jovens Espíritas

Terra: por um futuro Verde.

Dispomos das inúmeras bênçãos divinas que nos permitem amparo e equilíbrio para consertamos nosso planeta. O futuro, portanto, dependerá do esforço e cooperação que cada um fará para buscar a melhoria coletiva.

 

Deus nos presenteou com uma natureza rica para que tenhamos a condição de existência no corpo físico, sem que nada nos falte.

Infelizmente, com a exploração da natureza, o planeta está sendo destruído e, com isso, estamos construindo um futuro incerto para nós mesmos.

 

A mudança coletiva se faz necessária. O homem precisa parar e repensar suas atitudes em termos de educação ambiental. Os cientistas espirituais nos falam que é melhor se educar do que ser educado pela Natureza, pois sua educação é a lei de sobrevivência.

Em sua psicografia, Os refugiados do clima, o Mensageiro de Maria alerta à humanidade para a transformação geográfica que a Terra irá passar, onde “povos sairão da sua pátria em busca de alimentos e água e milhares morrerão nessa caminhada.”

 

E ainda não será o fim, pois “Deus mostrará sua essência numa nova Terra, sem violência, sem egoísmo porque Seus filhos serão aqueles que Ele escolheu para a grande fase da regeneração.”

Muita paz para todos!

Jovens Espíritas em Atividades Espíritas.

 

porProjeto Jovens Espíritas

Juventude consciente: por um futuro verde.

 

O meio ambiente é o conjunto de fatores químicos, físicos e bióticos que nos envolvem e nos cercam, e tendo Deus como criador do universo, a natureza também é sua criação. Assim sendo, todas as vezes que degradamos o meio ambiente estamos faltando com a caridade para com a criação divina.

 

 

Observamos que nossa sociedade se encontra em decadência moral e isso reflete, diretamente, na condição ambiental que nosso planeta se encontra, pois pequenas atitudes nossas, como jogar lixo na rua, por exemplo, é falta de ética e evolução moral.

Ademais, quando o nosso modelo e guia Jesus veio a este planeta nos deixou orientações a serem seguidas, e uma delas é amar o próximo como a nós mesmos. Todas as vezes que temos ações maléficas com a natureza isso retorna para a raça humana, seja como catástrofes ecológicas ou retorno de doenças adormecidas. Portanto, quando deterioramos o meio ambiente, há a inexistência da beneficência para com as gerações futuras.

Então, que nós, enquanto juventude, possamos fazer a diferença e, com atitudes sustentáveis, possamos ser exemplos para estimular o cuidado com a nossa casa maior dada pelo nosso pai celestial.

 

 

Jovens Espíritas em Atividades Espíritas.

 

porProjeto Jovens Espíritas

Saúde mental e dependência virtual na juventude

A inteligência é uma habilidade humana vinda de Deus e a Ele deve ser dada a sua utilização. Dessa maneira, a humanidade a usaria de boa forma e, com isso, facilitaria a sua própria evolução espiritual. Como colocado no Evangelho Segundo o Espiritismo – capítulo 7: Missão do homem inteligente na terra – “A inteligência é rica de méritos para o futuro, mas sob a condição de ser bem empregada. Se todos os homens que a possuem dela se servissem, de conformidade com a vontade de Deus, fácil seria, para os Espíritos, a tarefa de fazer que a Humanidade avance”.

Infelizmente, não é isso que vem ocorrendo com a utilização da tecnologia, principalmente nas redes sociais e jogos virtuais, por parte dos jovens. Parte deles não estão sabendo utilizá-la de maneira disciplinida e equilibrada e isso acarreta graves consequências para suas saúdes física, mental e espiritual. Uma possível solução para isso seria mostrá-los como utilizar a tecnologia e a internet em seu favor e de maneira correta, evitando, assim, pertubações e disfunções orgânicas ocasionadas pelo seus usos excessivos.

 

 

 

 

É como relata Drº Ludymylly na psicografia “Os eletromagnetizados por jogos em Redes Sociais” através do médium Wandir Barbosa, “O homem morre, mas leva com ele os seus vícios ou a sua virtude para o mundo espiritual”. O mesmo acontece com os viciados em internet e tecnologia. Os espíritos desencarnados procuram se aproximar daqueles com afinidade fluídica para saciar sua compulsão. Aproximando-se do encarnado,  uma ligação perigosa é formada, trazendo consequências negativas para ele como: dificuldade para dormir e se alimentar, além do aumento da fixação pela tecnologia.

 

 

 

 

 

 

Faz-se necessário, e, é de extrema importância, a presença e atenção dos pais para que possam ajudar seus filhos no uso correto da tecnologia, que se for utilizada de forma adequada, trará grandes benefícios para humanidade.

 

 

 

 

Jovens Espíritas em Atividades Espíritas

porProjeto Jovens Espíritas

Bullying: um pedido de socorro.

Do ponto de vista da Medicina Espiritual, Dra. Cristina Santos explica a prática do Bullying como uma ação doentia. O praticante apresenta complicações psicológicas ou psiquiátricas em função de problemas familiares vivenciados constantemente no lar.

Dessa forma, esse indivíduo transfere todos os seus problemas para a sociedade, tentando “esconder” o sofrimento através de práticas de violência física e verbal.

A partir disso, o praticante da ação atinge outros jovens que apresentam um comportamento totalmente oposto, sendo esses, jovens educados, comportados e muito inteligentes, e que pela sua timidez não conseguem se impor e acabam sofrendo grande pressão psicológica, afetando seu emocional, e consequentemente seu aprendizado.

 

Sendo assim, vale ressaltar o papel familiar como sendo fundamental para que esse tipo de ação não ocorra, pois uma boa base educacional doméstica evita esse e outros tipos de comportamentos no meio social.

Paralelamente, queremos relembrar para a juventude uma máxima de Jesus essencial para o convívio social: “Não fazeis aos outros aquilo que não gostaríamos que os outros nos fizesse”, para que possamos viver em harmonia e paz.

Jovens Espíritas em Atividades Espíritas.

 

REFERÊNCIAS:

Evangelho Segundo o Espiritismo, Cap 09 Bem aventurados os que são brandos e pacíficos e Cap 11 Amar o próximo como a si mesmo.

Palestra – O bullying, suas causas e suas consequências: https://www.youtube.com/watch?v=EHyHRPwtvnI

Palestra – As mães, os jovens e os conflitos da juventude: https://www.youtube.com/watch?v=871UrdlBZTw

Palestra – Saúde Espiritual, o amor como forma libertadora: https://www.youtube.com/watch?v=EEGZRgsEUAs

CME – Aula 58 Projeção de Memória Perispiritual: https://www.youtube.com/watch?v=mB1iLdhP7AA

porProjeto Jovens Espíritas

Evolução da Mediunidade

Diante da história da humanidade observamos que grandes médiuns como Moisés, João Batista e Chico Xavier usaram a mediunidade em favor do próximo, praticando a caridade.

Moisés, homem de muita fé e obediência, até o seu desencarne, trouxe regras para combater a injustiça que assolava a região, fez tudo aquilo que, de acordo com o planejamento divino, teria que exercer para a época, dando o primeiro impulso da organização Celeste que outrora o Cristo viria aprimorar.

O profeta João Batista não aceitava injustiça com seu povo, exercida pelos Reis, onde muitas vezes crianças eram levadas como forma de pagamento de impostos. João Batista era procurado por muitos que buscavam esclarecimentos, sendo preso e morto, por defender e mostrar a verdade ao povo.

Chico Xavier, como era popularmente conhecido, também foi um médium de Deus. À época, práticas mediúnicas eram conhecidas apenas em terreiros, vinculados ao movimento afro religioso. Chico veio esclarecer a importância do desprendimento dos bens materiais, pois pregou o amor puro. Trouxe, através de suas comunicações com os espíritos desencarnados, sem cobrar nada, a prova da existência da imortalidade da alma e da ciência do Mundo Espiritual.

Os verdadeiros médiuns de Deus são aqueles que praticam o amor, o perdão e o respeito ao próximo. Dra. Cristina nos diz que a mediunidade está em toda parte e que quanto mais evoluído for o planeta e maior for o contato dos encarnados com os desencarnados para adiantamento moral do seu mundo, mais ativo será o laço de desprendimento do corpo físico. Pois o Cristo já dizia: “Buscai, primeiramente, o Reino de Deus e todas essas coisas vos serão acrescentadas.” Mt 6:33

Muita paz!

Jovens Espíritas em Atividades Espíritas

Referência: https://www.youtube.com/watch?v=GyhvwQZxSUI

porProjeto Jovens Espíritas

Juventude Espírita: Um convite a Jesus

A aurora da vida…

Quão graciosa e bela é a Juventude!

Alvorada celeste que enche de luz e brilho a face da mocidade alegre e ativa…

Na sociedade atual, notamos que os valores morais estão sendo aplicados de forma equivocada no ser humano e, principalmente, em uma das fases primordiais para a formação de sua personalidade: a adolescência.

A juventude sofre, seja pela falta de apoio fraternal ou pela opção de viver como ‘’ todos vivem’’, fazendo vontades impostas por outros e escondendo do mundo o seu anseio de se tornar alguém melhor. Se esconde no álcool, nas drogas e na depressão. Juventude sem rumo, sem Jesus em seus corações.

Convidamos todos os jovens a renunciarem um mundo de perturbações e viverem para o Cristo. A caminhada não é fácil, mas se dermos as mãos, mutuamente, mudaremos a condição de toda uma juventude perdida, mostrando a todos que o caminho é Jesus. Não perderemos, portanto, uma vida, mas ganharemos a oportunidade de vivenciar a vida com Ele.

Jovens, é chegado a hora de morrermos para o mundo e renascermos para o Cristo. Sermos instrumentos de auxílio ao necessitado, e quando nos sentirmos sobrecarregados e aflitos, pelas provações mundanas, oremos, porque a prece é um estado de conversação com Deus.

Jovens Espíritas em Atividades Espíritas

REFERÊNCIAS:

Palestra Espírita: A Juventude do Futuro: Um Convite à Jesus https://www.youtube.com/watch?v=V_NuTUHttiA

O Evangelho Segundo o Espiritismo Cap.XVII – Ação da prece. Transmissão do pensamento

Texto do Projeto Jovem Espírita 2017: Depressão na Adolescência http://www.nucleodemedicinaespiritual.com.br/depressao-na-adolescencia/

porProjeto Jovens Espíritas

Agradecimentos da Juventude

É com muito carinho e alegria que a Juventude Espírita dos Hospitais Espirituais do Nordeste agradece a todos aqueles que contribuem para o aprendizado e a prática das ações doutrinárias do Espiritismo. Doutrina essa, que há muito vem sendo esquecida e mistificada porque não é levada a sério. É lamentável. Entretanto, os jovens vinculados a atividades espíritas procuram trazer para nossa geração a trindade “Ciência, Filosofia e Religião”, tendo como objetivo fazer com que outros jovens tenham a possibilidade de vivenciar a prática de conduta moralizada do Evangelho do Cristo, dentro do crivo da razão e da lógica como cita nosso codificador, Sr. Allan Kardec. Desse modo, o ano de 2017 foi um ano de muito estudo e pesquisas no âmbito doutrinário.

A busca pelo conhecimento para a garantia de discernimento promovendo debates e esclarecendo a outros religiosos e até mesmo adeptos do Espiritismo, trazendo em rede aberta a nossa visão enquanto jovens, nos remeteu a inúmeros questionamentos, que não deixaram de ser esclarecidos pelos médicos espirituais, pela mentoria de cada Núcleo, com todo o embasamento e foco nas obras da Codificação: O Livro dos Espíritos, O Livro dos Médiuns, A gênese, As Revistas Espíritas e O Evangelho Segundo o Espiritismo. Tudo isso fez com que a nossa produção de estudos aumentasse ainda mais. Em cada resumo dos conhecimentos abordados, buscamos trazer para o site textos que pudessem esclarecer toda uma população, com linguagem simples, clara e objetiva, das mais variadas idades, crenças e raças tendo como única finalidade “O esclarecimento dos ensinamentos do Cristo e a expansão da doutrina Espírita, no Brasil e no mundo”.

Assim sendo, o ano de 2018 será como este, um ano de estudos e dedicação a causa do próximo.

Todos os jovens do Projeto “Jovens Espíritas em Atividades Espíritas” agradecem, com muito amor, a todos aqueles que ajudam direta ou indiretamente, o nosso projeto, em especial a nossa Coordenadora Espiritual em nome de todos os Mentores: Drª Cristina Santos pela oportunidade de aprender, a cada dia, e ainda mais, de servir ao Cristo!

Desejamos a todos um Feliz Natal na presença do Cristo e um Feliz Ano Novo com responsabilidade, paz e alegria!!!

Fiquem com Deus!!

porProjeto Jovens Espíritas

Perispírito e os plexos

Temos 32 camadas perispirituais que dão sustentabilidade ao Espírito encarnado, sendo a principal a camada periférica. Nela existem centros vitais ou plexos, interligados aos órgãos, que comandam as funções orgânicas, servindo como pontos de distribuição de força ou de recepção e emissão de fluidos:

Coronário – Centro de recepção, tem ligação direta com nossas funções neurológicas. É responsável por distribuir os fluidos para os outros plexos.

Frontal – Centro de emissão. É responsável pelos nossos pensamentos e emite fluidos recebendo a força do lóbulo frontal.

Laríngeo –  Localizado na região da garganta. Responsável pela comunicação e pela garganta ectoplasmática nos médiuns inspirados.

 

Cardíaco – Localizado no músculo cardíaco. É responsável  pelos sentimentos e emoções.

Glândula do Timo – Não é um plexo. Desempenha importante função no perispírito pela distribuição dos fluidos para todos os plexos.

Esplênico Localiza-se na região do baço. Tem a função armazenadora e auxilia na recomposição orgânica;

Gástrico – Tem a função de absorver nutrientes contidos nos alimentos ingeridos;

Genésico – Tem a finalidade de armazenar temporariamente energias e está relacionado à reprodução humana.

Quando nossa conduta é inadequada ou contrariamos os desígnios de Deus e utilizamos, de forma equivocada nossa roupagem, ficamos desequilibrados energeticamente. Esse desequilíbrio é registrado pelo periférico passando pelas outras camadas perispirituais até eclodir no corpo físico. Para que isso seja evitado os Médicos Espirituais nos alertam que tenhamos uma boa conservação de pensamentos e equilíbrio emocional, lembrando o que o próprio Cristo já dizia: Bem aventurados os que são brandos e pacíficos, pois possuirão a Terra.

 

Jovens Espíritas em Atividades Espíritas

 

REFERÊNCIAS:

Evolução em dois mundos – Cap. 02: Corpo espiritual

CME – Perispírito periférico de Jesus; Perispírito periférico; Aulas 2017/2018 1-23

Livro dos Espíritos Q93 a 95

A Gênese – Cap. 14 Formação e propriedades do perispírito

porProjeto Jovens Espíritas

Sensibilidade mediúnica na juventude

       A atmosfera espiritual terrestre é composta por inúmeras partículas fluídicas de natureza compatível com a dos seres encarnados que aqui habitam. Podemos dizer que vivemos envoltos num oceano de energias ou fluido cósmico modificado.
O médium sensitivo recepciona e registra todas as impressões de ações fluídicas, seja espiritual ou provenientes do fluido humano, geradas no ambiente, emitidas sobre ele ou produzidas pelo próprio médium, nas quais, muitas das vezes ,ele não sabe distinguir e diferenciar essas ações.
Dentro da sensibilidade positiva ou negativa, falada pela Médica Espiritual, Dra Cristina Santos, o controle emocional e as características de pensamento irão definir tudo aquilo que o médium gera ou está apto a receber em termos de energias fluídicas. Um médium desequilibrado sofre das reações fluídicas negativas que ele próprio produziu, não havendo necessariamente a presença de um espírito desencarnado. O Cristo dizia “Orai e vigiai para não cairdes em tentação”, indicando a todos os médiuns a necessidade da vigilância e da manutenção dos pensamentos e sentimentos positivos que devem ser conservados e analisados constantemente.
Os Espíritos Superiores nos ensinam, dentro da moral do Cristo, que sempre devemos nos comportar como eternos alunos, desconfiando de nós mesmos e tendo cautela diante daquilo que nos é apresentado do Mundo Espiritual. Assim como a sensibilidade negativa tem suas consequências, a positiva, também, nos mostra que o médium pode enveredar pelo caminho da euforia e exaltação de si mesmo, no qual o excesso de certeza irá influenciar sobre suas ações e posicionamentos mediúnicos. Como médiuns, precisamos entender que somos simples instrumentos e que o nosso posicionamento deve ser aquele que está de acordo com os ensinamentos de Jesus trazidos pelos Espíritos Superiores.
O treinamento diário com o seu anjo da guarda, através da mentalização, da fixação do pensamento em Deus e da prece, dará ao médium sensitivo um contato maior com a Justiça Divina, equilíbrio emocional e o desenvolvimento futuro da percepção mediúnica. Esse médium passará a ter entendimento e conhecimento de toda a atmosfera fluídica que o envolve, dos Espíritos que desejam atuar sobre ele, da ação fluídica que os mesmos se utilizam e das técnicas de defesa vibratória necessárias para contornar uma situação negativa ou até mesmo evitar que ela aconteça.
O jovem que tem sensibilidade, no desenvolvimento da sua mediunidade, precisa entender que assumiu um compromisso com a Justiça Divina e que tem, em suas mãos, uma ferramenta de defesa que servirá para auxiliar, também, os necessitados do Mundo Espiritual, cuja renúncia e modificação interiores serão verdadeiras alavancas de progresso espiritual e evolução mediúnica. A revolta e a rebeldia nos médiuns só agravam os sinais e sintomas dos quais são portadores, visto que essas energias são incompatíveis com os propósitos superiores que vieram exercer na Terra.
Que possamos nos conscientizar de que a mediunidade é uma dádiva que Deus concedeu a espíritos falidos para repararem os inúmeros erros praticados em existências passadas que , agora, recebem a chance de se redimirem pelo caminho do amor infinito e da prática do bem.

Muita paz para todos!
Jovens Espíritas em Atividades Espíritas.

REFERÊNCIAS:
A Gênese – Cap 14: Os fluidos
Revista Espírita – Maio, 1867: Atmosfera espiritual (Página 185)
Curso de Medicina Espiritual 2017 – Link: https://www.youtube.com/playlist?list=PLPhIRF3Jb5psYoCF-na5CTGk8MOq0Brxz
Palestra: Os Jovens e as responsabilidades mediúnicas https://www.youtube.com/watch?v=Tc0vG3EpEK4
Palestra: Mediunidade, sinais e sintomas https://www.youtube.com/watch?v=_241uaRInVs
Psicografia: O futuro dos médiuns e da mediunidade http://www.nucleodemedicinaespiritual.com.br/o-futuro-dos-mediuns-e-da-mediunidade/

porProjeto Jovens Espíritas

Fé e Ciência: Alicerce de Condução a Deus

A fé é termo integrante para a execução dos trabalhos espirituais realizados pelos médicos espirituais no auxílio dos encarnados e desencarnados.  Esse trabalho tem como base a fé, resignação, abnegação, indulgência, benevolência, devotamento e o amor que são elementos da verdadeira caridade. Todos esses sentimentos são de origem pura e fazem parte da essência divina que existe em nós. Nós, trabalhadores do Cristo, precisamos manter em prática todos esses sentimentos, pois através deles seremos instrumentos de comunicação dos espíritos, por isso, viemos ao mundo como médiuns.

Jesus é e sempre será o melhor exemplo de fé que podemos ter. Através dos Seus ensinamentos, compreendemos a grandeza de suas obras. Como modelo de fé, coragem e resignação, devemos sempre nos lembrar das atitudes do Cristo diante de seus fiéis; deixava de se alimentar para dar amor, dava atenção à multidão que o seguia, ajudava aqueles que, mais tarde, estariam presentes no momento de sua crucificação.

Para termos o merecimento de recebermos o que pedimos, precisamos buscar o que desejamos, manter nossa moralidade inabalável, termos a fé ativa, coragem e paciência, pois tudo que vivemos hoje é consequência do que já fizemos em vidas passadas e cada oportunidade de reencarnação é uma chance de fazermos o que é certo para chegarmos a Deus. Já dizia o Cristo  no Evangelho Segundo o Espiritismo “Ajuda-te que o céu te ajudará”. Ele nos deixou o mais simples ensinamento: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida”.

Jesus como o médium dos médiuns operava curas à distância, pois sua fé era puramente espiritual. Como nosso modelo e guia, foi exemplo não só de fé, mas também de resignação, além dos conhecimentos acerca do magnetismo, aliando Sua mensagem de amor com Seus exemplos através dos sacrifícios, testemunhos, curas e trabalhos obsessivos e espirituais que realizou, através da manipulação dos fluidos magnéticos. Sempre deixou claro que a fé dos enfermos os tinham curado. Esses milagres, pela luz da razão e do pensamento crítico, nos diz que “Não há fé inabalável senão aquela que pode encarar a razão face a face em todas as épocas da Humanidade”. Portanto coragem meus irmãos, a fé contagia tudo e a todos. Esforcemo-nos para a realização e exercício dos ensinamentos dados pelo Mestre Jesus há 2017 anos, dentro da fé e da caridade cristã.

porProjeto Jovens Espíritas

O médium e seus mecanismos de defesa vibratória

Quando vamos falar da condição Planetária existencial que reúne os aspectos físicos e morais a quem se submete os seres encarnados nesse Mundo, tratamos de uma atmosfera ainda grotesca, passando por oscilações diversas, porém, em busca de uma estabilidade com melhores condições de vida, orgânica, inorgânica, desde o primeiro ser, até a última criação de Deus: o ser humano, ser esse formado pela essência Divina; períspirito periférico e o seu espírito, obra prima e modelada conforme às Leis do Criador Universal.
O homem, por sua vez, ao não cumprimento das leis celestiais, sofre amplamente as leis atuais e internas, as leis de causa e efeito, e trazendo para conceitos de estabilidade vibratória cada vez mais complicados, conforme a criação mental em massa que se acometem os habitantes desse globo.  Tudo, conforme as compatibilidades das leis de compensação fluídicas estudadas pelo Sr. Codificador Allan Kardec, influi sob a atmosfera fluídica vibratória, o pensamento, a atitude e as virtudes de cada médium, faz com que seu campo energético vibratório se modifique tanto para seu progresso espiritual, como para seu estado de inércia. Tendo em vista que para Deus nada se perde, tudo se transforma.
O médium, compenetrado e envolto ainda do laço corpóreo, deve se fazer julgar em seu íntimo, as variações diárias que deve formar ao seu derredor, abdicar de suas vontades passageiras e más condutas, cumprir todo o planejamento feito outrora, com os espíritos simpatizantes, anjo guardião, e os responsáveis pelo retorno à matéria. Devemos lembrar que como seres em erraticidade – termo, também, de autoria do Codificador da Doutrina, que somos passageiros, e que devemos pôr em prática os mecanismos de defesa psíquica e vibratória, pois na condição em que o Planeta está, todos estão sujeitos a riscos dos mais variados, entretanto, se há uma preparação, principalmente da parte dos médiuns, estes, conseguem cumprir sua parte de auxílio e reforma moral.
Utilizar-se do mecanismo da prece ao anjo guardião, como atributo de segurança e humildade mútua, é um grande passo, ao contrário de pedidos fúteis que só servem para alimentação do ego material. Além da proteção e auxílio que tal mecanismo fornece ao médium, a aproximação com seu anjo protetor o faz mais paciente. Ele ouve mais e pensa nas suas decisões futuras como consequências, não para si, mas para todos, no meio coletivo em que se encontra. Sendo o Instrutor divino, devemos sempre agradecer pelo alicerce e a afabilidade emanados.
A moralização vem com um fim útil de progresso entre os espíritos em estado expiatório, mas que como mecanismo de defesa se faz imprescindível, quanto a organização social e orgânica que todos são acometidos. É o que dará ao ser uma oportunidade diária de defesa e acima de tudo de auxílio ao próximo, que constitui na Terra, o todo. Como o Médico e Mentor Espiritual Dr. Ricardo de Menezes orientou: ‘’ A melhoria da qualidade fluídica da Terra estará sempre condicionada ao que seus habitantes, seja em vibração material ou espiritual, geram ou modificam através das formas de pensamentos geradas ou modificadas conforme esforço íntimo de cada um. ‘’
Que tenhamos bons pensamentos e utilizemos dos mecanismos de defesa vibratória, enquanto médiuns orientados conforme a permissão de Deus, para que só então possamos adentrar em uma atmosfera de ordem sutil onde reine a concordância a Paz e o amor, de acordo com o Evangelho do Cristo.
Muita Paz!

 

REFERÊNCIAS:
O Evangelho Segundo o Espiritismo; Cap.: XVII- Sede perfeitos. XXVIII- Aos anjos guardiões e aos espíritos protetores. XXIV- Não ponhais a candeia debaixo do alqueire. XXVII- Pedi e Obtereis.
Revista Espírita: Pluralidade dos mundos habitados (pag. 109)
Livro dos Espíritos; Cap.: IX- Da intervenção dos espíritos no mundo corporal: Anjos da guarda, Espíritos protetores, Familiares ou simpáticos. XII- Da perfeição moral: Conhecimento de si mesmo.
Psicografias: Breve panorama espiritual terrestre; Pensamento, períspirito e células; A proposta é a reforma moral.
Palestras: Terra, o planeta de todas as perturbações; A prece: por que todos os pedidos não são atendidos; As emissões de pensamentos e as obsessões a distância; O homem é um ser espiritual.
Curso de Medicina Espiritual: Aula 25 Campo de Comunicação Magnético Pelos espíritos protetores.

porProjeto Jovens Espíritas

Compromisso Mediúnico na Juventude

O Jovem que assumiu, em seu projeto reencarnatório, o compromisso de ajudar o próximo, dentro do exercício e prática da sua mediunidade, deve estar disposto a servir ao bem, se reformar moralmente e realizar o seu trabalho da melhor maneira possível com todo o esforço e dedicação, pois para trabalhar para o Cristo é preciso ter disciplina, amor e acima de tudo renúncia.

Sabendo que mediunidade é um compromisso com Deus, deve colocar o seu coração na frente de todas as dificuldades, para que o necessitado, no fim, tenha suas dores e lamentações sanadas. Tendo a humildade dentro de si, deve reconhecer que é apenas um instrumento da espiritualidade para ajudar quem mais precisa como intermediário do amor de Deus.

O amor e a moralidade são importantes para a jornada mediúnica. Diante de tudo que passar nesta existência, precisa seguir em frente estudando o evangelho do Cristo e seguir seu exemplo de socorrer e curar as chagas espirituais e morais do necessitado. Ser caridoso porque a caridade é fundamental para o crescimento espiritual, visto que ela não depende de religião ou classe social, mas abrange a todos.

Mediunidade não é um castigo. É uma oportunidade que os médiuns recebem para recuperar as almas que desviaram. Caso o médium não queira seguir seu mandato mediúnico, por suas energias acumuladas, terá fortes dores, pois essas energias não foram distribuídas ou utilizadas para ajudar os necessitados. A mediunidade cobra de todos o equilíbrio e exercício da pratica moral e espiritual.

Que possamos esquecer um pouco mais de nós para pensar mais em nosso próximo. Renunciar o que nos desviará do caminho do bem e nos esforçar para sermos pessoas melhores a cada dia, tendo sempre a assistência da espiritualidade. Se diante de um trabalho espiritual ainda optarmos, muitas das vezes, por servir a Mamon do que servir a Deus, não estaremos prontos para servir ao Cristo.

REFERÊNCIAS:

1- https://www.youtube.com/watch?v=Tc0vG3EpEK4

2- O Evangelho Segundo o Espiritismo, Cap XXVI

3- http://www.nucleodemedicinaespiritual.com.br/a-proposta-e-a-reforma-moral/

4- https://www.youtube.com/watch?v=_241uaRInVs

5- O Evangelho Segundo o Espiritismo, Cap XVI