OBRAS DE FÔLEGO DE UMA JOVEM MÉDIUM

porEquipe de Informática

OBRAS DE FÔLEGO DE UMA JOVEM MÉDIUM

A história de Joanna D’arc, ditada por ela mesma, à médium Ermance Dufaux, chocou a Europa acompanhada de diversas suposições sobre a obra de fôlego da adolescente. Na Revista Espírita (janeiro e março de 1858), Kardec responde: “aos que duvidarem da origem desse trabalho e o creditarem à memória da senhorita Dufaux, responderemos que seria preciso da parte de uma menina com 14 anos, uma memória bem fenomenal e um talento de precocidade não menos extraordinário, para escrever, de uma assentada, uma obra dessa natureza. Uma narração completa contendo uma infinidade de detalhes pouco ou nada conhecidos, sobre a vida da heroína. Esse trabalho, um dos mais completos do gênero, contém documentos preciosos do ponto de vista histórico.”

Em seguida, A história de Luís XI, ditado por ele mesmo, à médium Ermance Dufaux, contendo os arrependimentos e confissões do perverso rei. Onde essa criança teria haurido as explicações inéditas da nebulosa política de Luís XI? Esta aptidão mediúnica, para conteúdos históricos, tornou possível o contato com alguns personagens conhecidos dos franceses. Os historiadores não compreendiam como a adolescente conseguia tantos detalhes que não estão nos livros regulares. Tudo isso é possível devido a mediunidade sonambúlica e psicográfica, no qual o médium é capaz de se anular e permitir ao espírito comunicante expressar-se de forma mais autêntica e trazendo os conteúdos integrais.

Ao longo dos anos, na Revista Espírita, a procura pelas obras psicografadas da jovem só aumentavam. Membro assídua da “Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas”, Allan Kardec observa que, nas reuniões mediúnicas em que ela estava presente, um espírito “Luís” se apresentava espontaneamente, trazendo orientações sobre as evocações feitas, dissertações morais, conselhos e explicações dos fatos questionados. Era São Luís, o aclamado Rei Luís IX da França, mentor da jovem médium. A adolescente de 13 anos psicografou, desinteressadamente, obras que mais tarde veríamos através da mediunidade de Chico Xavier.

REFERÊNCIAS:

  •         Revista Espírita 1858 –Janeiro – História de Joana D’Arc
  •         Revista Espírita 1858 – Março – Confissões de Luís XI
  •         Revista Espírita 1858 – Maio – Morte de Luís XI
  •         Revista Espírita 1858 – Junho – Confissões de Luís XI
  •         Revista Espírita 1858 – Junho – Conversas familiares de além-túmulo
  •         Revista Espírita 1859 – Abril – Aviso
  •         Revista Espírita 1860 – Junho – Biografia
  •         Revista Espírita 1860 – Novembro – Aviso
  •         Revista Espírita 1869 – Julho – Aviso Importante

Facebooktwittergoogle_plusmailFacebooktwittergoogle_plusmail

Sobre o Autor

Equipe de Informática editor

Os autores destas postagens, fazem parte do voluntariado dos hospitais espirituais do nordeste vinculados ao Núcleo Central de Orientação de Medicina Espiritual do Nordeste.